SENAR/AP Cultivando o Conhecimento

Demora da chuva atrapalha plantio de soja em Mato Grosso

Demora da chuva atrapalha plantio de soja em Mato Grosso

Plantio de soja em Mato Grosso está atrasado devido à falta de chuvas (Foto: Ernesto de Souza/Ed. Globo)

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

O volume de chuvas ainda abaixo do ideal para o início do plantio da safra 2015/2016 faz com que produtores mato-grossenses estejam cautelosos em relação ao ritmo dos trabalhos, disse a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT) em nota.

Segundo o vice-presidente da região norte da Aprosoja-MT, Silvésio de Oliveira, não mais que 100 hectares devem ter sido plantados nas últimas duas semanas, principalmente de áreas irrigadas.

"Porém, devido à pouca quantidade de chuva, os produtores não estão começando ou, quem começa, começa de forma cautelosa. De forma geral, nossa região que, por tradição, planta cedo, está atrasada", explicou Oliveira no comunicado.

No oeste de Mato Grosso, as chuvas tampouco se regularizaram, e o plantio deve começar, de fato, em meados de outubro. O recado importante é que o produtor regule suas plantadeiras, todas suas máquinas, e prepare-se.

Daqui para frente, dependemos do clima e uma chuva em um dia, de 50 milímetros, vai fazer com que plantemos por um ou dois dias", relatou o vice-presidente da região oeste da associação, Vanderlei Reck Junior, na mesma nota.

O vice-presidente da regional sul, Alexandre Schenkel, afirmou que as chuvas também têm sido pontuais, porém o plantio começou em Campo Verde e na região da Serra da Petrovina, próximo a Rondonópolis e Pedra Preta.

Segundo ele, o momento econômico do País também explica a cautela para evitar o risco de plantar grandes áreas com clima ainda desfavorável e depois ter de replantar. "O produtor está muito precavido para tomar qualquer decisão que impacte no bolso."

Na região leste, além da falta de chuvas, o problema são as queimadas. As primeiras chuvas na região ficaram entre 6 e 26 mm. "Aqui ainda está muito quente, seco e queimando bastante em áreas de reserva", pontuou Endrigo Dalcin, vice-presidente da Aprosoja na região.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Veja Também:

Artigos Relacionados